domingo, 22 de agosto de 2010

Amor

Agora fazem sete anos que Arkham saiu de casa. Guiado apenas por suas lembranças, a verdade jamais se calaria em seu peito.

Ele estava apenas há 20 metros da torre, e sentou para pensar em tudo que o levou até aquele momento. Lembrou-se de ondas quebrando-se contra as rochas, e um barco indo em direção ao infinito horizonte, um aperto no coração.

“E o amor, para que serve?” – Murmurou. Sentimentos reprimidos pela primeira vez tinham sua chance de argumentar. Sentimentos não lhe garantiram uma vida digna. Na verdade, nem sequer lhe garantiram uma vida.

Seus lábios secos e rachados mostravam um sorriso puro. Finalmente ele iria alcançar seu sonho. Abriu a pesada porta de madeira, e entrou na torre.

Um cheiro de podre se misturava com a aura negra daquele lugar marcado pela necromancia. As escadas espirais misturavam-se com a escuridão, e feixes de luz vinham das poucas janelas sem vidro. Ela estava ali dentro.

Arkham subiu as escadas correndo. Ele estaria cara a cara com ela, finalmente. Foram longos anos, sofridos e dolorosos. Pessoas morreram, pessoas choraram, e os dias se passaram lentamente, para se assegurar que ele sofreria o suficiente para ter a alma limpa nesse momento tão sublime.

No topo da torre, segurou a enorme maçaneta da porta onde sua princesa o esperava há tanto tempo. Todos falaram que ela não estaria lá, mas ele sabia que nisso, o amor não mentiria.

Sonhos o perseguiam durante cada noite, mostrando que ela sofria sem ele, e que ainda o esperava para se encontrarem novamente. Após essa breve reflexão, abriu a porta.

O quarto estava muito maltratado pelo tempo, muitas teias de aranha tomavam conta do lugar. As cortinas rasgadas e empoeiradas balançavam com o vento trazido junto com a luz avermelhada daquele crepúsculo. E sob o sujo e fino lençol que um dia foi branco, ela repousava.

Todos pagaram a língua. Todos então saberiam que ela ainda o esperava, e que eles estariam juntos eternamente. Seguiu lentamente, sem fazer barulho, e se sentou na borda da cama. A expressão de calma no rosto aveludado de sua princesa acalmou sua alma.

“Cheguei, minha amada.” Murmurou Arkham, passando a mão pelos sedosos cabelos negros da adormecida. Lentamente, abaixou-se, e tocou os lábios gélidos da princesa com um beijo, e a colocou no colo, subindo a leva final de escadas, e chegando ao telhado da torre.

Quatro canhões enferrujados estavam lá, cada um apontando para um ponto cardeal. As ondas chocavam-se fortemente contra as rochas, e um pequeno barco retornava do infinito horizonte. Tudo ocorreu dentro do tempo.

“Eu sabia que você ainda estava me esperando.” – Disse Arkham em voz alta, tentando fazer sua voz sobrepor o forte vento que jogava seus cabelos dourados para trás. Ajoelhou – se, e deitou o cadáver de sua amada em sua frente. Com um punhal, atravessou sua mão, e com o sangue escorrendo, escreveu no chão:


“Passem anos, passem décadas, nunca serás esquecida.
Tu me esperaste tranqüila sob a tempestade.
Pois eis que cheguei, e estás acolhida,
Estaremos juntos por toda a eternidade.”


Com essas palavras ditas, e o corpo fraco pela perda de sangue, encarou lá embaixo, onde a população invadia a torre com suas tochas e forcados.
“Até a eternidade...”- Murmurou, e saltou da torre.

22 comentários:

thaay disse...

Poucas linhas pra uma linda história. :)

Karen M. disse...

Amei! *-*

Allan disse...

Gostei, ta bem elaborado, mas ta meio confuso e meio clichê =s

Frania disse...

Ótimas palavras e muito bem escolhidas. Mas com o Allan disse, está meio parecida com a de Shakespeare :)

Vick disse...

Gostei bastante do jeito que vc escreveu *-*
Muito bom

Thais disse...

Kiraa *-* ta perfeeeito!
muito foda, tipo demais,
e tipo ainda acho que ele morre, mas é lindo demais
Linda história de amor ♥

Elis Lima disse...

Muito bom! Escreva mais, por favor!

André Bigs disse...

Eu amo vc *o*
mas mesmo não tendo muito haver , fico bem legal =D

Hugo disse...

Muito profundo! Sentimental e bem descrito, digno de um 9!
Base muito bonita em Shakespeare, parabens!

Anônimo disse...

Um dos contos mais bonitos que ja li. Parabeins!

Marca Um disse...

Ja pensou em mandar para alguma editora esse conto?

Anônimo disse...

Seu melhor conto.

Garota do sorriso disse...

Nossa, eu realmente achei triste... tem uma coisa que eu preso é não precisa morrer para ficar com seu amor para sempre, ele poderia viver com ela em seu coração.

Anônimo disse...

Parabéns, você é muito talentoso...adorei o conto!!!! Bem sinistro!!

gisleide.queiroz disse...

Parabéns, você é muito talentoso!! Adorei o conto, bem sinistro.

Anônimo disse...

Como eu não havia lido isso antes?
Você deveria escrever mais...

Anônimo disse...

Aaaaaain *-* que liindo (:
Kira voce escreve muito bem *-*
ameei

Anônimo disse...

Marcelo =)

Eu achei triste, e bem frio...
Adoro isso ;)

Anônimo disse...

Ja pensou em postar no Nyah Fanfiction?
Sou sua fã! :3

Hayleen disse...

Com certeza, é um dos melhores contos que já li, e além disso, é tão direto, simples, e com uma surpresa tão forte no meio de tanta dúvida.

Gosto do seu estilo, bem cheio de mistérios que não parecem ter explicação...

Rogério disse...

Esse já é lenda.

Diana disse...

Mto booooom Kira-Sama *-*
com ctz, mto bom...
Ja mtos e mtos contos
e o seu, é um dos melhores!
merece ser reconhecido
Te adoro! :3

Postar um comentário

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More